Missão é movimento: reflexões a partir do evangelho de Lucas

PARTE 1

missao-movimento

O Novo Testamento não apresenta uma única definição de missão, mas vários paradigmas, que sinalizam diferentes perspectivas missiológicas. Um olhar atento à vida e ao ministério de Jesus, no Evangelho de Lucas, revela que missão é movimento. É o Espírito Santo agindo e se movendo. É o Filho do Homem, enviado pelo Espírito do Senhor, movendo-se constantemente: andando de casa em casa, caminhando à beira do rio, passando por aldeias e cidades, subindo montes, aproximando-se de doentes, conversando com mulheres, comendo com pessoas de má fama e acercando-se de todo tipo de pessoas, das quais muitos faziam questão de manter distância.

Missão é movimento

O envio de Jesus mostra o movimento da missão (Lc 4.18). No Evangelho de Lucas, Jesus aparece em constante movimento durante o seu ministério público, deslocando-se para aldeias e casas, retirando-se para o monte ou lugares desertos, mas, sobretudo, andando nas cidades – a palavra “cidade” aparece quarenta vezes nesse evangelho. A cidade é o palco da missão de Jesus, onde ele anda, ensina e opera milagres.

O movimento da missão de Jesus, porém, em momento algum se confunde com ativismo. O mestre também realiza o “retirar-se”, pois compreende e pratica a disciplina do descanso. Em vários momentos ele se ausentava da insistente multidão que o seguia, retirando-se para descansar e orar. Antes de chamar os doze discípulos, por exemplo, Jesus “retirou-se para o monte, a fim de orar, e passou a noite orando a Deus” (6.12). Em outra ocasião, após o envio e o retorno dos doze, Jesus ouviu o relatório dos discípulos e os levou para um retiro, a fim de estar a sós com eles (9.10). Oito dias após anunciar a sua morte, ele subiu ao monte para orar e levou consigo Pedro, João e Tiago (9.28). Também era costume de Jesus retirar-se para orar no monte das Oliveiras (22.39), o mesmo local onde Judas o entregaria “aos principais sacerdotes, capitães do templo e anciãos que vieram prendê-lo” (22.52).

Mover-se na missão de Jesus significa conjugar coerentemente ação, reflexão e oração. E é para esse movimento que ele chama e envia os seus discípulos, levando-os consigo pelas aldeias e cidades, mas também mostrando, na prática, a importância de, em alguns momentos, se retirar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s